Meditação

UM ENCONTRO COM O BUDISMO THERAVADA TAILANDÊS

A linhagem Theravada é considerada uma das mais conservadoras dentre todas as escolas budistas, sendo predominante em alguns países asiáticos como Tailândia, Sri Lanka, Laos, Camboja , entre outros. Os monges Theravadas tentam preservar o modo de vida monástico da época de Buddha Shakyamuni.

Num breve encontro com monges Theravada do Dhammakaya Foundation, que chegaram no Brasil, em janeiro, para abrir um centro de meditação, percebemos algo realmente purista e belo, no que diz respeito a manter os votos ditados por Buddha.

Perguntamos ao monge Pepper qual o significado da palavra Theravada :” Thera significa mestre, Vada significa fala. Então Theravada é o ensinamento oral, mestre a discípulo, que vem desde Buddha Shakyamuni. O mestre ensina o discípulo que vira um mestre e assim continua”.

E seguindo a tradição milenar, também nos explicou que eles tentam viver da maneira mais próxima as orientações originais de Buddha, principalmente, na Tailândia, onde isso faz parte da cultura local. “Buddha disse que os monges deveriam possuir apenas 3 peças de roupa, a vasilha onde recebem as doações, o cantil para água e uma agulha para consertar a roupa quando necessário”, disse monge Pepper. Até hoje, na Tailândia e em alguns países asiáticos, os monges Theravadas saem todos os dias pela manhã com suas vasilhas para receber doações de comida da população.

As principais práticas do budismo Theravada são a meditação (prática contemplativa) e o sutra, que são os ensinamentos. Segundo o monge Pepper, esta tradição possui 40 tipos de meditação sendo que as práticas mais conhecidas no ocidente são o shámata e o vipássana e ambas são comuns ao budismo como um todo. No Shámatha o objetivo é aprender a acalmar, a silenciar a mente. Já o Vipassana é uma forma de meditação analítica.

“O shámata é o início onde aprendemos a diminuir as nossas necessidades. Comer menos, dormir menos, gastar menos dinheiro. Vipássana é um estágio mais avançado que requer muita concentração. Depois de praticar bastante o shámata, aprender a ter menos preocupações consigo mesmo e estiver confortável com isso, daí você poderia iniciar o Vipássana.” Diz monge Pepper.

Os monges são bem reservados em relação as suas práticas de meditação. Percebemos, claramente, que para um monge Theravada a meditação não é algo trivial e, sim, algo profundo, uma prática a ser feita com muito respeito porque faz parte de um processo dentro do caminho espiritual, com toda a ética na qual se baseia o budismo.

Todo contato com os Theravadas é muito emocionante. A cerimônia conhecida como Mahapuja Day*, reúne centenas de milhares de pessoas na Tailândia e é um dos momentos mais emocionantes que uma pessoa pode viver. Longa vida a todos os que mantém vivo o Dharma.

*Comemora o dia que Buddha transmitiu um dos seus principais ensinamentos.

Saiba mais em www.dhammakaya.net

Ana Cristina Koda

Ana Cristina Koda

Após mais de 20 anos no caminho do autoconhecimento e da espiritualidade, resolveu compartilhar suas visões e experiências pessoais, frutos das práticas de meditação, através de seus artigos. Seus muitos anos como profissional das áreas de marketing e comunicação são a base desta sua vontade de se comunicar, agora, com um propósito maior.
Vamos Meditar concretiza este sonho, que está se realizando e que dedica a todos os seres. Também dá aulas particulares de meditação e atende com terapias integrativas para quem quer seguir o caminho do autoconhecimento e da espiritualidade.
Contato pelo email: anackoda@gmail.com

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *