Crescimento Pessoal

PAIXÃO. TEMPERO DA VIDA E DA MORTE.

A forma com que encaramos a morte nos diz muito sobre como vivemos. Todos nós somos únicos, temos toda a criação dentro de nós e, ao mesmo tempo, somos feitos de clichês com algumas formas genéricas.

Com este olhar, tenho observado que o que nos proporciona alegria ou tristeza, o que nos dá força ou nos intimida, o que nos faz levantar da cama ou ficar nela, é a paixão que temos de viver. E paixão é algo que precisamos direcionar para algo. Quando parecemos estar apaixonados pela vida, normalmente, estamos apaixonados por alguém, por algo ou até por uma ideia.

O ser humano está aqui para aprender através da sua relação com o mundo, por isso, não existe nada de errado com isso. A única coisa que eu diria neste ponto, é que seria inteligente (se é que a paixão permite alguma inteligência) colocar toda esta energia onde seja significativo, onde dê um retorno que realmente seja bom e importante para sua vida, além do passageiro e do superficial. Normalmente, uma boa paixão é aquela que nos faz sentir a cada dia mais inteiros, mais fortes e empoderados.

A paixão também é uma energia a ser compreendida e domada. Ela pode nos transformar em um super-herói ou num trapo. Enquanto o objeto da paixão existir ela nos dá superpoderes. Em compensação, quando ele se vai… Mas as paixões foram feitas para durar? Eu diria que a resposta é não. Porque ela tem que se mover, nos trazer novas experiências, ajudar a encontrarmos caminhos diferentes, cores, cheiros, sabores. Tem até um pouco de tolice nisso tudo, mas o que seria da vida sem se cometer algumas bobagens?

Por isso, além de ser o nosso motor de arranque, a paixão ainda traz com ela um grande ou, me atrevo a dizer, o maior aprendizado: o desapego. Quem não aprende a desapegar começa a colocar água da dor no fogo da paixão e, assim, corre o risco de extingui-lo e nós, de pararmos de viver. Podemos estar respirando, comendo, trabalhando e até namorando, mas sem paixão, o tempero e a vontade de mais desaparece.

Por isso, todo grande desapegado é um grande apaixonado pela vida. E tendo vivido com tanta paixão, na hora da morte, até desapegar da vida se tornará mais fácil. Uma pessoa que vive com paixão sabe que a morte é só mais uma aventura que termina para outra começar, assim como foi toda a sua vida: cheia de mortes e recomeços, movida por uma paixão.

Ana Cristina Koda

Ana Cristina Koda

Após mais de 20 anos no caminho do autoconhecimento e da espiritualidade, resolveu compartilhar suas visões e experiências pessoais, frutos das práticas de meditação, através de seus artigos. Seus muitos anos como profissional das áreas de marketing e comunicação são a base desta sua vontade de se comunicar, agora, com um propósito maior.
Vamos Meditar concretiza este sonho, que está se realizando e que dedica a todos os seres. Também dá aulas particulares de meditação e atende com terapias integrativas para quem quer seguir o caminho do autoconhecimento e da espiritualidade.
Contato pelo email: anackoda@gmail.com

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *