Crescimento PessoalMeditaçãoPráticas de Meditação

MEDITAÇÃO DA ACEITAÇÃO

Existe uma regrinha de ouro para se ter uma boa vida que é: eu aceito, confio, entrego e agradeço. Porém, o ser humano tem uma grande dificuldade de aceitar as coisas como elas são, principalmente, porque também não sabe quem é. Não percorreu suas vias internas, descobrindo o melhor de si mesmo e passa a vida evitando as valas onde caiu, os vidros que estilhaçou, sem compreender qual o ensinamento que continha nelas.

Existem várias crenças equivocadas sobre o que é bom ou ruim, que carregamos na vida e que nos trazem sofrimento e ambiguidade interna. Na verdade, carregamos sentimentos como culpa ou vergonha que tentamos evitar entrar em contato quando deveríamos acolhe-los e verificar qual a nossa necessidade em relação a estes temas.

Temos vergonha de sentir raiva de alguém que supostamente deveríamos amar, vergonha do corpo, projetamos um ideal (de pai, mãe, filho, companheiro, relacionamento, empresa, trabalho, amor, sucesso, etc), sentimos culpa por não sermos alguém importante/especial,  entre várias outras questões construídas pela sociedade. Porém, nunca nos perguntamos por quê nos sentimos assim.

Essa falta de clareza e questionamento com relação aos nossos sentimentos e emoções, muitas vezes nos impede de enxergarmos o que não aceitamos em nós. Por exemplo, podemos seguir em frente com as nossas vidas quando somos deixados por alguém que amamos ou perdemos o emprego, mas conseguimos aceitar emocionalmente? Muitas vezes o orgulho ferido nos impede de realmente seguir em frente se tornando um sério bloqueio emocional, que alimentam crenças como: ninguém me ama, homens/mulheres não prestam, nunca darei certo num relacionamento, a vida é injusta, entre muitos outros.

Normalmente, tudo de “ruim” que vivemos é sofrimento autoimposto, é apenas nossa mente/emoções nos pregando peças. Somos seres vivendo experiências, algumas felizes e outras nem tanto, e não existe nada de errado com isso. Apenas precisamos aceitar as coisas como são e desapegar da experiência.

Acredito que esta meditação pode ajudar a integrar todas as partes de uma pessoa em aceitação amorosa de si mesmo e, em consequência, do mundo a sua volta. Também é o primeiro patamar para crescer, evoluir. Aceitando o momento presente como é, ficará muito mais fácil confiar, se entregar no fluxo e agradecer por estar tudo sempre perfeito. Tudo já é perfeito como é, incluindo as “falhas e imperfeições”, que apenas são aquilo que está em desacordo com a nossa vontade. Falha, imperfeição, erro, são palavras que pressupõe uma perspectiva, uma convenção externa ou um desejo de como as coisas deveriam ser. Apenas isso!

A meditação pode ser feita apenas com a primeira parte que é genérica e também de forma específica, onde a honestidade com os próprios equívocos é muito importante. Esta é para os fortes!

Postura
Esta meditação pode ser feita sentada ou deitada. Sentada em almofada de pernas cruzadas ou em cadeira, com os pés bem apoiados no chão. Mãos apoiadas sobre as coxas. Lembre-se de estar numa posição estável e relaxada. Apenas atenção com a coluna ereta. Mantenha os olhos semi-cerrados ou fechados.

Estabilização da mente
Comece colocando atenção apenas no ar que entra e sai pelas narinas. Coloque atenção no movimento das narinas, na temperatura do ar que entra e que sai, ou sinta este passando por um ponto entre as sombrancelhas (pode fixar um ponto de luz se quiser). Pode ainda colocar a mão na barriga e acompanhar o movimento do ar que entra e sai através desta região.  Lembre-se de não resistir a pensamentos, reações físicas ou emoções. Apenas observe, sem julgar e retome a atenção para a respiração. Faça esta prática por pelo menos 5 min.

Preliminares
Coloque uma intenção positiva na prática. Se tiver alguma questão que esteja lhe incomodando neste momento, coloque a intenção esvaziar o poder deste problema na sua mente e na sua vida.

Prática

Parte 1:

  1. Inspire repetindo várias vezes, mentalmente, como um mantra: eu aceito as minhas imperfeições. Ao expirar imagine que está colocando todos estes sofrimentos para  fora, liberando a sua resistência em aceitar as suas imperfeições, enquanto pensa: está tudo bem, eu sinto muito por todo o sofrimento, eu me amo, eu amo a vida.
  2. Repita esta ação por pelo menos 5 min, idealmente 10 min. Algumas emoções ou dores no corpo poderão surgir. Apenas observe e acolha amorosamente, sem julgar.

Parte 2: apenas, caso queira trabalhar algum tema em específico, após este tempo de meditação de aceitação, pode continuar com afirmações, como por exemplo:

  • Eu aceito que tenho medo de não ser bom o suficiente, sofrer por amor, estar envelhecendo, da morte, ficar sozinho, não emagrecer, não ser bonito, ser incapaz e ninguém me amar, de acabar sozinho. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo.  Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais, enquanto pensa: está tudo bem, eu sinto muito por todo o sofrimento, eu me amo, eu amo a vida.
  • Eu aceito que me sinto envergonhado, humilhado e até sinto inveja,  quando sou preterido e as coisas não são como quero. Fico com raiva. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo. Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais, enquanto pensa: está tudo bem, eu sinto muito por todo o sofrimento, eu me amo, eu amo a vida.
  • Eu aceito que fui deixado, demitido, roubado, traído e me sinto mal com isso. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo. Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais, enquanto pensa: está tudo bem, eu sinto muito por todo este sofrimento, eu me amo, eu amo a vida.
  • Eu aceito que errei ao mentir, roubar, bater, gritar, denegrir, humilhar  e me sinto mal com isso. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo. Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais, enquanto pensa: está tudo bem, eu sinto muito por todo o sofrimento, eu me amo, eu amo a vida.
  • Eu aceito que me sinto culpado por não estar feliz no meu relacionamento, no trabalho, na minha vida. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo. Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais, enquanto pensa: está tudo bem, eu sinto muito por todo o sofrimento, eu me amo, eu amo a vida.
  • Eu aceito que sinto medo quando não sei se sou forte o suficiente para cuidar das minhas responsabilidades, quando o meu companheiro, filhos, pais e entes queridos me tiram do sério e eu tenho ataques de raiva. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo. Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais.
  • Eu aceito que  tenho medo de fracassar por não me sentir capaz. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo. Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais.
  • Eu aceito que não sei o que fazer da minha vida, que estou perdido e isso me faz sentir muito mal comigo mesmo. Neste momento eu escolho sair do papel de vítima e transmutar toda essa energia, apagar estes registros do meu sistema. Eu escolho ser feliz e ficar em paz comigo mesmo.  Inspire profundamente e expire como se estivesse jogando para fora toda esta energia que não lhe serve mais.

Ao final de cada operação (frase + respiração), repita 3 x: está tudo bem, eu sinto muito por tudo isso, me perdoe pela ignorância que me faz sofrer, eu me amo, eu amo a vida.

Se tiver um tempo, fique mais uns 5 minutos em silêncio, apenas observando a respiração.

Finalize unindo as mãos em oração no centro do peito, agradeça e dedique a energia positiva gerada pela prática ao benefício de todos os seres.

Ana Cristina Koda

Ana Cristina Koda

Após mais de 20 anos no caminho do autoconhecimento e da espiritualidade, resolveu compartilhar suas visões e experiências pessoais, frutos das práticas de meditação, através de seus artigos. Seus muitos anos como profissional das áreas de marketing e comunicação são a base desta sua vontade de se comunicar, agora, com um propósito maior.
Vamos Meditar concretiza este sonho, que está se realizando e que dedica a todos os seres. Também dá aulas particulares de meditação e atende com terapias integrativas para quem quer seguir o caminho do autoconhecimento e da espiritualidade.
Contato pelo email: anackoda@gmail.com

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *