Crescimento Pessoal

ESPALHANDO AMOR POR AÍ

Para o budismo, uma das grandes causas do sofrimento é o nosso egoísmo, o fato de pensarmos mais em nós mesmos do que nos outros.  Historicamente, a igreja católica, grande defensora da caridade, atua muito na linha “fazer o bem” na sociedade, assim, como também defendem quase todas as linhagens espirituais.  E, ainda, cansamos de ouvir depoimentos de como  as pessoas que fazem o bem para os outros se sentem felizes. Existem muitos relatos sobre isso.

Conheço algumas pessoas que trabalham regularmente como voluntários, algumas outras que se engajaram de tal forma que iniciaram instituições de sucesso como o Valdir Cimino, do Viva e Deixe Viver. Existem pessoas como eu, que participam uma vez ou outra como voluntários em alguma atividade e, ainda, uma grande maioria bem distante do assunto, que são consumidas pelas próprias vidas porque ela é corrida mesmo.

Para aqueles que, há tempos, tem vontade de se arriscar e nunca arrumaram tempo, não sabem aonde ir ou o que procurar para fazer um trabalho voluntário, gostaria de compartilhar minha experiência com a Associação Beneficente Grupo Sol.

Usando a frase “o amor foi feito para se espalhar” em suas camisetas, o Grupo Sol se reúne todo primeiro sábado do mês com um grupo de voluntários que dedicam algumas horas para visitar instituições infanto-juvenis, geriátricas e hospitalares. O ponto de encontro é o Makro, da ponte Vila Maria. Pode ir quem quiser, de qualquer idade, classe social ou religião. Só tem que estar a fim de doar um pouco de amor.

Os voluntários se encontram com os coordenadores do Grupo Sol, que apresentam as instituições das quais são padrinhos. Assim, os voluntários podem escolher qual instituição querem conhecer e atuar naquele dia. Eu escolhi o FIC, Fraternidade Irmã Clara, instituição que possui como madrinha  a coordenadora Socorro, que cuida de crianças e adultos com paralisia cerebral.  Tinha acabado de rever um vídeo da Dra Jill Bolte Taylor, uma neurologista que acompanhou o processo do próprio derrame, como observadora de si mesma, e entendi que eu ou qualquer um de nós poderíamos ser um daqueles pacientes. Uma ideia que me apavorou e que me compeliu a exercitar a compreensão da fragilidade humana e a compaixão que todos nós merecemos.

Chegamos ao FIC, um hospital gratuito, muito bem cuidado e impressionantemente bem estruturado, por volta das 10h, e após alguns minutos de integração e instruções somos levados até os internos, que nos esperavam num grande salão. Como o dia estava bonito, a atividade era levar os internos para dar passeios em um parque situado junto ao hospital. E assim fizemos. Cada voluntário pegou uma pessoa em sua cadeira de rodas e levamos todos para passear, tomar sol, conversar… mesmo que não obtivéssemos respostas compreensíveis da maioria, fizemos o nosso melhor para nos conectar com aquelas pessoas. Conhecer a história de algumas delas, se importar e, principalmente, ver famílias inteiras trabalhando juntas como voluntárias, pais com seus filhos adolescentes, praticando junto essa coisa de “espalhar amor”.  Isso sim não tem preço! Imagine como seria o mundo com pessoas que crescem sabendo como é importante e bom cuidar do outro. Gente, que ALEGRIA!!! E o Grupo Sol incentiva a participação de crianças.

Daniel Mirolli, o amigo que me apresentou ao Sol e que foi visitar um abrigo infanto-juvenil, neste dia,  me contou que ouviu um pequeno voluntário dizer ao pai que tinha sido a melhor coisa que tinha feito nas férias. Cool!

Ao meio dia, já estávamos de volta ao ponto de encontro. Demos tão pouco do nosso tempo e ganhamos tanto. Assim, simples, como tudo que é bom nesta vida.

Quem quiser se iniciar neste negócio de espalhar amor,  é só comparecer no dia 02 de agosto, no ponto de encontro. Se não der nesse, tem em setembro, outubro… um dia vai dar e sempre é dia para começar.

Para saber mais sobre o Grupo Sol e suas atividades, acesse:

http://www.associacaogruposol.org.br/

Outras referências:

FIC – Fraternidade Irmã Clara: www.ficfeliz.org.br

Ana Cristina Koda

Ana Cristina Koda

Após mais de 20 anos no caminho do autoconhecimento e da espiritualidade, resolveu compartilhar suas visões e experiências pessoais, frutos das práticas de meditação, através de seus artigos. Seus muitos anos como profissional das áreas de marketing e comunicação são a base desta sua vontade de se comunicar, agora, com um propósito maior.
Vamos Meditar concretiza este sonho, que está se realizando e que dedica a todos os seres. Também dá aulas particulares de meditação e atende com terapias integrativas para quem quer seguir o caminho do autoconhecimento e da espiritualidade.
Contato pelo email: anackoda@gmail.com

1 Comment

  1. Daniel
    28 July, 2014 at 7:10 — Reply

    😀

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *