Vida e Bem Estar

ARTE COM SIGNIFICADO

Claudia Proushan é artista plástica e fotógrafa com 2 livros publicados, “Tibet no Coração do Himalaia” e “Luzes da Galileia”. Em conversa com o Vamos Meditar, Cláudia fala um pouco sobre o seu trabalho e da sua necessidade de dar significado a tudo o que faz.

VM: Cláudia, como você define o seu trabalho?
CP: O meu trabalho é sempre ligado a espiritualidade, o que é difícil colocar em palavras. Eu sempre precisei entender o sentido das coisas e, desde cedo, fui buscar as filosofias orientais com as quais tinha grande identificação. Fui estudar a história e a arte do Japão, o taoísmo e o I-Ching chinês. Nesta época, teve um livro que foi muito importante para mim,   ” O Livro do Caminho Perfeito”,  de Lao Tse, um mestre taoísta. Eu lia, relia, li muitas vezes porque me dava muita inspiração e me inseria no mundo, dava um sentido que eu procurava para a vida. Este foi um canal que me ajudou bastante, numa época, a dar sentido as coisas… Tive 2 professores chineses. Depois, conheci bastante o budismo, que eu tenho grande afinidade e tudo isso acabou influenciando o meu trabalho.
Sempre tive uma coisa de entrar, de estar no mundo fazendo algum sentido.

VM: Quando você começou a retratar a espiritualidade na sua arte?
CP: Creio que isso se acentuou depois das minhas viagens a Mongólia e ao Tibet. Fiquei muito inspirada e, na época, comecei a retratar as cores, a energia do local.
A força daquelas montanhas, a solidez, a força da terra me impressionaram muito. Durante muitos anos tudo o que eu pintava tinha a ver com montanha, mesmo que não fosse retratado diretamente, dentro de mim eu via montanhas, independentemente de ter uma relação com o tema. Esta fase durou bastante tempo. Estar a 6 mil metros de altitude é uma experiência muito forte.

Foi onde também comecei a desenvolver a fotografia e ela começou a andar junto com a arte, com a pintura. Depois, com o crescimento da minha relação com o budismo tibetano, que tem muitos símbolos, eu comecei a estudar os significados destes símbolos. Daí, passei a usá-los no meu trabalho. Às vezes um símbolo, às vezes uma letra, às vezes 2 letras, até chegar nos mantras. Eu gostava muito disso tudo. Tem a parte estética que é uma coisa e também o sentido maior dessas letras, o seu significado. O que significava uma letra ou ela com outra letra? São símbolos milenares que vão além da estética, do feio e do bonito, do gosto ou não gosto. E também não é uma arte intelectual no sentido acadêmico. Não me interessa muito o intelectual, escolhi um outro caminho. A minha expressão é essa.

VM: E agora, em que fase se encontra?
CP: Eu fiquei com vontade de fazer coisas grandes e estou trabalhando numa técnica nova chamada digigrafia, que mistura a fotografia e aquarela e cujo resultado final é uma impressão num papel de algodão de 2,0 m, 2,5 m. Em outras palavras é uma aquarela gigante. É algo bem interessante porque é uma mistura da aquarela, a cor, a transparência e o efeito das cores e sua influência nas pessoas e nos ambientes, que eu gosto muito, em dimensões maiores.

VM: você iniciou com a força da natureza, passa para algo com um significado mais sofisticado com os mantras e agora junta a grandiosidade das montanhas, com os símbolos orientais e a tecnologia?
CP: Não tinha pensado nisso, mas talvez seja uma evolução natural. Queria pintar grandes painéis e também usar algo moderno como a tecnologia. De qualquer forma estou muito feliz com o resultado.

VM: Para finalizar, qual é o impacto que você quer que as pessoas tenham com o seu trabalho?
CP:  Que elas sintam a energia. A aquarela tem uma coisa muito limpa. É a água com diferentes cores e eu pinto com chá também, algo bem oriental. Para mim é como um jogo, uma representação da vida. São as transparências, os caminhos, uma história que vai se contando. As cores vão falando por si só. É como uma dança que envolve as pessoas.

Saiba mais em: www.claudiaproushan.com

Ana Cristina Koda

Ana Cristina Koda

Após mais de 20 anos no caminho do autoconhecimento e da espiritualidade, resolveu compartilhar suas visões e experiências pessoais, frutos das práticas de meditação, através de seus artigos. Seus muitos anos como profissional das áreas de marketing e comunicação são a base desta sua vontade de se comunicar, agora, com um propósito maior.
Vamos Meditar concretiza este sonho, que está se realizando e que dedica a todos os seres. Também dá aulas particulares de meditação e atende com terapias integrativas para quem quer seguir o caminho do autoconhecimento e da espiritualidade.
Contato pelo email: anackoda@gmail.com

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *