Crescimento Pessoal

PRO DIA NASCER FELIZ!

Como estamos aqui para aprender, todos os anos acumulo algumas boas aquisições e aprimoro conceitos há muito trabalhados. A cada ano, “uma casca da cebola se vai” e nada como o tempo e a experiência para irmos nos aprofundando em nós mesmos e, aos poucos, começarmos a construir, passo a passo, uma vida melhor. Aqui, estão alguns dos meus aprendizados de 2014, que espero conseguir utilizar para que em 2015 eu possa dizer: “pro dia nascer feliz, esta é a vida que eu quis.” Boralá!

Atenção e Consciência. Aprimorando as escolhas, decisões e desejos.
De certa forma, no fundo, todos nós sabemos que as escolhas que fazemos moldam a nossa vida. Porém, é muito difícil enxergar esta realidade no nosso dia-a-dia. Afinal, como assim somos responsáveis se o carro quebrou ou se o gato derrubou o vaso? Mas assim é.  Ou seja, tudo o que vivemos hoje está baseado nas escolhas que fizemos ontem e estamos sempre e o tempo todo tomando decisões, mesmo que não estejamos conscientes delas.
Mas como tomar mais consciência sobre as nossas escolhas e decisões? Ganhando cada vez mais consciência sobre nós mesmos. Temos que nos observar e perceber todos os padrões de comportamento, que revelam as nossas crenças e as emoções que estas nos despertam, incessantemente, porque mesmo os mais aplicados no caminho do autoconhecimento ainda caem nos jogos do ego.
Resumindo: se você não anda feliz, no fundo, tomou uma decisão de ser infeliz e nenhum desejo realizado fará com que seja, mesmo que não tenha consciência disso. Pior, sabotará tudo o que poderia te trazer felicidade.

Ação. Quando assumimos a responsabilidade.
Uma pessoa pode decidir ser boa, mas sem ser capaz de um ato generoso, como irá fechar o ciclo e alinhar o que pensa, fala e faz, para ter os resultados que almeja? Ou ainda, é mesmo possível existir bondade onde há o julgamento da mente grosseira? Da mesma forma, podemos mentalizar, desejar, atrair e também estarmos alinhados com o fluxo para que as realizações sejam facilitadas, mas sem um pouco do nosso esforço pessoal no plano material, dificilmente, as coisas sairão do mundo das ideias. É quando agimos que assumimos a responsabilidade pelos resultados, e vem aí um ano regido por Marte que nos cobrará isso.

Ser Integral. Unindo o material com o espiritual.
Seja qual for a atividade empreendida, ela não é um fim, é um meio. É o conjunto destas experiências, materiais e espirituais (observo que elas nunca são apenas uma ou outra), que chamamos de vida e ela nunca irá se estacionar no alto da montanha russa, na melhor praia do planeta ou num beco triste e escuro, porque vida é criação em constante movimento. O problema só ocorre quando paramos de criar a nossa vida, quando nos tornamos autoindulgentes ou nos sentimos vítimas e nos entregamos. Assim, paramos de viver mesmo que estejamos respirando.

Comandos. Aprendendo a utilizar a mente.
Outra coisa que realizei este ano, não mais na teoria, mas por experiência, é que a mente é um hardware cheio de muitas informações e que a gente tem que aprender a dar os comandos. Se não fazemos isso conscientemente, fazendo escolhas constantemente focadas no momento presente, ela tem um piloto automático baseado em experiências emocionais anteriores, que assume o controle da nossa vida. É o sistema límbico cuidando do que presume ser a nossa sobrevivência de uma maneira completamente emocional e nada inteligente
Percebi que muitas das pequenas decisões que tomava como, por exemplo, cuidar melhor da alimentação, eu não conseguia levar a término porque não tinha feito a escolha que daria motivo a ela: ter uma vida longa, saudável e significativa. Ou ainda mais embaixo, precisava decidir amar o meu corpo assim como sempre amei a minha mente. Sempre ouvi que teria uma vida longa e confesso que nunca fui muito atraída pela ideia. Provavelmente, isso funcionava como um autossabotador e precisava descobrir quais seriam os comandos que realmente fariam a minha “chave virar”.

Resumindo, com estes novos aprimoramentos no bolso, resolvi continuar subindo a montanha e com uma visão maior, mais uma vez tentar assumir o controle da minha vida, algo nada óbvio e que exige tempo e paciência. Também elaborei alguns decretos com objetivos mais amplos e mais primordiais, para servirem de comandos para a minha mente, que compartilho com vocês.

1. Escolha a paz e tome a decisão de ser apenas um observador e não um juiz.
Pare de julgar as ações do passado ou do presente como boas ou ruins, mas como algo que trouxeram ou não o resultado esperado. Isso ajuda a nos atermos aos fatos sem qualificarmos, pois quando qualificamos, atribuímos significados que nos trazem dor e medo que, por sua vez, viram obstáculos. Além disso, a vida é um paradoxo e não existe nada nem ninguém completamente bom ou ruim, negativo ou positivo, o que torna o julgamento uma perda de tempo. Ao fazermos isso também começamos a adquirir uma visão mais compassiva com tudo e todos.
Decreto: “ Eu escolho a paz. Decido observar a realidade assim como ela é, sem atribuir significados.”

2. Escolha ser único e tome a decisão de ser você mesmo e de gostar de quem é.
Assim, começará a identificar se os seus sonhos são realmente seus ou são de seus pais, da sociedade e da sua vontade de satisfazer as expectativas externas para ser aceito. Se descobrir que não sabe quem é ou não gosta do que vê no espelho, fique feliz! Deu o primeiro passo para começar a se amar de verdade. Lembre-se de que quem ama de verdade sempre o aceitará como é.
Decreto: “Eu escolho ser único. Decido me permitir ser eu mesmo e me amar, corpo e espírito.”

3. Escolha aceitar o fluxo e tome a decisão de começar algo novo quando a oportunidade se apresentar.
Todo mundo tem medo ou, no mínimo, preguiça de sair da zona de conforto, mas sem fazer isso a gente não se descobre por inteiro. Não precisamos sair correndo a toda velocidade, pois a vida é uma maratona. Podemos dar um passo de cada vez, mas dê este passo. Se a oportunidade se apresentar, não hesite!
Decreto: “Eu escolho sair do controle. Decido seguir o fluxo para ser criativo sempre.”

4. Escolha a harmonia e tome a decisão de manter o equilíbrio .
Ao invés de fazer uma lista de prós e contras, coisas que fizemos ou que deixamos de fazer ou das que queremos ou não mudar, podemos tentar algo novo: uma lista de coisas que estão em equilíbrio (no centro) ou em desequilíbrio na nossa vida. Temos o hábito de nos posicionarmos nos extremos, mas o que traz paz e alegria são os meios.
Decreto: “Eu escolho a harmonia e decido me manter centrado.”

5. Escolha estar presente e tome a decisão de ser cada dia mais consciente.
Colocando atenção no momento presente, teremos mais consciência de quem somos através dos nossos atos, palavras e pensamentos. Isso não quer dizer julgá-los e sim compreender os sentimentos e motivações por baixo das aparências. Aos poucos, também teremos condições de fazer escolhas e tomar decisões nos baseando mais em fatos do que em memórias emocionais.
Decreto: “Eu escolho estar presente e decido estar plenamente consciente dos meus atos, palavras e pensamentos.”

6. Escolha aceitar as bênçãos da vida e tome a decisão de ser feliz.
Tomar a decisão de ser feliz fará com que, aos poucos, venham à tona todos os padrões de autossabotagem, que fazem com que tomemos ações que nos colocam numa posição mais distante da nossa felicidade.
Decreto: “Eu escolho aceitar as bênçãos da vida. Decido ser feliz e estar em paz.”

7. Escolha a integralidade e tome a decisão de assumir o espiritual na sua vida.
Nunca seremos inteiros enquanto não aprendermos a equilibrar as vontades do ego, com a sabedoria do espírito, sem detrimento a qualquer uma das partes. O ego é como o cavalo, que tem a força e a determinação para nos levar aonde queremos, e o espírito deve ser o seu cavaleiro, pois possui a consciência amorosa e prestativa para conduzir sabiamente as nossas vontades e desejos. Um precisa do outro e com estas duas forças equilibradas poderemos construir o paraíso na terra. Acreditando ou não, a verdade é que somos seres espirituais vivendo uma experiência humana e negar isso só atrasa nossa compreensão da vida, o nosso poder de transformação e criação.
Decreto: “Eu escolho ser completo. Decido viver em equilíbrio material e espiritual.”

8. Escolha a fé e tome a decisão de ter realizar os seus sonhos.
No fundo, a maioria de nós tem pouca fé e é, por isso, que seguimos tanto os padrões e forças externas. Entender o porquê de tudo isso pode ser muito simples e também muito complicado. Como acreditar, ter certeza que Deus está dentro de nós e que temos o seu poder? E ele está, garanto! Mas não adianta compreender apenas, tem que sentir, realizar, mesmo que aos poucos.
Decreto: “Eu escolho acreditar que o poder se encontra dentro de mim. Decido realizar tudo o que quiser.”

9. Escolha o amor e a confiança e tome a decisão curar o seu coração.
Vivemos num mundo com uma série de perigos reais e imaginários, e mal sabemos distinguir uma coisa da outra. Percebi que um dos maiores medos que temos é da maldade humana, que faz com que nos fechemos em conchas onde deveríamos ser mais abertos: no nosso coração. Um coração saudável confia porque perdoa, aceita porque não vê defeito, acolhe porque sabe que somos um.
Decreto: “Eu escolho o amor ao invés do medo. Decido curar meu coração através do perdão e da confiança”.

10. Escolha o poder e tome a decisão de assumir a responsabilidade sobre a sua vida.
Há uns 20 anos, estudo este conceito e até hoje algumas fichas ainda caem. Saber que somos responsáveis por tudo que nos acontece na vida não é a mesma coisa de assumirmos a responsabilidade por ela. Isso é outra daquelas coisas nada óbvias. Creio que é neste ponto que escolhemos acabar com o “mimimi” e é preciso ter bastante coragem para isso.
Decreto: “ Eu escolho o poder. Decido assumir a responsabilidade pelo resultado dos meus atos, palavras e pensamentos.”

Que em 2015, as nossas escolhas e decisões se reflitam em ações, que  tornem todos os sonhos realidade. Faço votos que todos os seres possam ser responsáveis pela sua própria felicidade, colocando energia em suas causas.

Ana Cristina Koda

Ana Cristina Koda

Após mais de 20 anos no caminho do autoconhecimento e da espiritualidade, resolveu compartilhar suas visões e experiências pessoais, frutos das práticas de meditação, através de seus artigos. Seus muitos anos como profissional das áreas de marketing e comunicação são a base desta sua vontade de se comunicar, agora, com um propósito maior.
Vamos Meditar concretiza este sonho, que está se realizando e que dedica a todos os seres. Também dá aulas particulares de meditação e atende com terapias integrativas para quem quer seguir o caminho do autoconhecimento e da espiritualidade.
Contato pelo email: anackoda@gmail.com

No Comment

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *